fbpx
Agronegócio
Publicação em 24 de fevereiro de 2021

Armazenagem de grãos: etapas e classificações

Os produtores rurais brasileiros lidam, a cada safra, com os procedimentos de armazenagem de grãos. Essa etapa requer a utilização de boas práticas para ter sucesso.

Além das perdas que podem acontecer durante a pós-colheita, a baixa capacidade de estocagem do país faz parte dos desafios da armazenagem.

Destaque internacional no mercado de grãos, o Brasil pode chegar a perder 30% da produção de grãos apenas nos procedimentos após a colheita das lavouras.

Segundo o Senar – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, 10% dessa perda ocorre pela presença de contaminantes biológicos, físicos ou químicos nos produtos.

Qualidade necessária para armazenagem de grãos

A colheita de grãos se dá quando eles alcançam a maturidade fisiológica necessária, ou seja, quando sua massa atinge o peso máximo.

Mas, os produtores rurais devem se atentar a alguns fatores antes de iniciarem os procedimentos de armazenagem.

Teor de umidade

No ponto de maturidade fisiológica, os grãos possuem um teor de umidade muito alto. Cada tipo de grão possui um teor de umidade ideal, por exemplo o da soja é de 16%.

Para o armazenamento seguro dessa leguminosa é necessário que seu teor de umidade fique entre 11 e 12%, para 1 ano de estocagem, ou entre 9 e 10% para 5 anos de estocagem.

Com o teor de umidade a níveis baixos, outros fatores que possam ser prejudiciais ao armazenamento de grãos são evitados.

Porém, caso os grãos fiquem com a umidade muito abaixo do necessário eles podem sofrer quebras técnicas e, por isso, a medição do teor de umidade deve ser feita frequentemente durante o armazenamento.

Temperatura

A temperatura é mais um fator que pode alterar a qualidade do armazenamento dos grãos, seu controle é fundamental para que o produto não sofra rápida deterioração.

O aumento de temperatura pode ocorrer caso o teor de umidade dos grãos esteja acima do recomendado. Com isso, fungos podem atacar o estoque e aquecer a massa estocada.

O armazém deve ter uma boa circulação de ar para que a temperatura possa ser controlada. Por isso, a umidade relativa do ar e a umidade dos grãos devem estar em equilíbrio.

Etapas da armazenagem de grãos

Os grãos quando bem armazenados podem ficar disponíveis para comercialização em diversas épocas do ano.

Fazendo isso, o produtor rural evita pressões do mercado na época da colheita e eleva sua capacidade de negociação.

Mas antes de chegar na etapa da armazenagem de grãos, a colheita passa por alguns procedimentos como a secagem e o beneficiamento.

Secagem

A secagem de grãos pode gerar diversos benefícios ao produtor rural. Com ela é possível fazer uma antecipação da colheita, armazenar o produto por longos períodos, manter o poder germinativo das sementes e impedir o desenvolvimento de microrganismos.

Essa etapa pode ser feita de modo natural na própria lavoura, nesse tipo de secagem não há interferência humana. Porém, é um procedimento arriscado já que pode gerar perdas à produção.

Outra maneira de secar os grãos é utilizando secadores artificiais. Atualmente, existem diversas operações e tipos de secadores no mercado e cabe ao produtor escolher o melhor tipo para o seu cultivo.

Um tipo de secagem artificial é a por ventilação no terreiro, podendo ser com baixa, alta ou temperatura combinada. Essa operação é feita manualmente.

Mas existem também secadores mecânicos, os mais comuns são secador tipo cascata, secador de fluxo cruzado e secador de leito fixo.

Beneficiamento

Em busca de sementes de alta qualidade, muitos produtores fazem o beneficiamento dos grãos de sua colheita. Essa etapa é dividida em: recepção, amostragem, pré-limpeza, operações especiais e limpeza.

Durante o beneficiamento, materiais indesejados como sementes de plantas daninhas e impurezas são retirados dos grãos.

Armazenagem de grãos

Depois de embalados, os grãos são encaminhados para a armazenagem. Eles precisam estar no ponto de maturação ideal para essa fase, com uma porcentagem de germinação razoável de no mínimo 80%.

A armazenagem de grãos tem como objetivo principal a conservação da qualidade do produto, já que após essa etapa não há como melhorar as condições da safra. Mesmo em estágio de dormência, os grãos são organismos vivos expostos a diversos fatores.

Estruturas de armazenagem de grãos

As estruturas de armazenagem de grãos são caras, por isso, o custo de manter um armazém pode ser alto para os produtores rurais. Assim, eles acabam optando pelo transporte da colheita até outros locais.

Segundo a Conab, 76% da capacidade de armazenamento do Brasil é privada ou por tradings (empresas que compram os grãos para serem comercializados em outras épocas), 21% são de cooperativas e 3% de órgãos oficiais.

Para escolher onde armazenar seus grãos, o produtor deve levar em conta o custo da instalação, o tipo de grão que vai ser armazenado, a finalidade desses grãos e a localização da estrutura.

Paiol

O Paiol é uma estrutura de armazenamento utilizada por produtores de milho, nele as espigas são colocadas inteiras.

É um sistema que pode gerar perdas na produtividade da lavoura por estar exposto a insetos, fungos e roedores. É um tipo de armazenagem barata para o produtor e que facilita o transporte da colheita.

Silo bag

As silos bags são sacos usados para armazenagem de grãos a granel e exigem cuidados dos produtores que as escolhem.

Devem ser usadas preferencialmente a curto prazo e sua capacidade varia, podendo ter sacos que medem de 40m a 90m e suportam até 300 toneladas.

Silo vertical

Os silos verticais oferecem armazenagem para períodos mais longos, eles possibilitam menos trocas entre o ambiente externo e o local onde estão os grãos.

Eles podem ser de metal, de concreto, de alvenaria e de madeira, portanto, cada tipo de silo vertical tem um custo e necessidades de reparo diferentes.

Um silo vertical médio – ideal para grandes produtores – possui capacidade de armazenamento de até três mil toneladas por ano.

Conclusão

O produtor rural deve estar atento a etapa de armazenagem de grãos, já que uma má armazenagem pode impactar na sua lucratividade.

Vale lembrar que a armazenagem serve para manter a qualidade de sua colheita, então, todas as etapas anteriores a ela precisam ser bem monitoradas para garantir o bom estado do grão.

Para um bom controle da sua lavoura, talhão por talhão, solicite uma demonstração do ERP AgriManager. Voltado para produtores de soja, milho e algodão com mais de 2 mil hectares plantados.

Cicilio Manfroi

Cicilio Manfroi

Arquiteto de Soluções no Grupo Siagri há mais de 8 anos. Responsável pela estruturação de oferta do ERP AgriManager de encontro com a produção agrícola, beneficiamento de sementes e beneficiamento de algodão.