Como reduzir o custo de ociosidade no Armazém de grãos

Otimizar os recursos de um Armazém de grãos para aumentar sua produtividade e reduzir o custo de ociosidade é parte da rotina de todo gestor.

Para se ter uma ideia, no agronegócio, a ociosidade dos ativos pode gerar um prejuízo de R$ 4.741.200.00, o que equivale a 54,56% de todos os custos no período de safra.

O gerenciamento de custos é um fator essencial e quanto maior o controle sobre eles, melhor será a sua gestão e, consequentemente, os resultados.

Nesse sentindo, podemos citar diversos tipos de custos, como: fixo, variável, direto ou indireto. Porém, um dos que mais geram custos e não é tratado com tanta atenção é o custo de ociosidade.

Ter esse controle em um Armazém de grãos é indispensável, por isso, reunimos dicas para reduzir a ociosidade do seu negócio.

O que é o custo da ociosidade? Por que e tão importante medir?

O custo de ociosidade pode ser resumido como a diferença entre o que foi produzido e o que seria possível produzir com toda a capacidade existente.

Ou seja, consiste no quanto o seu Armazém está deixando de faturar em decorrência de ações (internas ou externas) ou processos ociosos. A capacidade ociosa é aquilo que deixou de ser expedido ou recebido, por diferentes razões.

Ou seja: uma empresa não fecha as portas (em um primeiro momento) apenas por estar ociosa.

Entretanto, seus equipamentos, funcionários e estoques continuam disponíveis, gerando despesas fixas e manutenções, acarretando prejuízos financeiros a longo prazo.

Mas o que pode gerar essa ociosidade?

Como uma espécie de desperdício invisível, recursos não utilizados, além de não construírem algo de valor também são onerosos.

Assim, os principais motivos para se gerar um custo de ociosidade são:

  • Defeito ou quebra de maquinário;
  • Baixa demanda;
  • Atrasos na safra e/ou entrega do produtor;
  • Falta de planejamento de carga ou descarga
  • Sazonalidade;
  • Perda de mão de obra, entre outros.

Sendo assim, reduzir a capacidade ociosa significa estabelecer uma harmonia entre a demanda de produção e a ocupação de equipamentos e mão de obra.

3 tipos de custos de ociosidade no Armazém de Grãos

Ao final de cada safra, o Armazém se programa para receber um volume específico de caminhões. Por diversas vezes e motivos, esses veículos não comparecem e os custos ficam na conta da unidade armazenadora.

Pensando neste cenário, podemos citar 3 tipos de custos para o Armazém:

  • Custo de mão de obra: para efetuar expedição, a unidade mobiliza uma equipe que tem um custo elevado por hora;
  • Da operação: referente ao deslocamento dos funcionários, consumo de energia elétrica, alimentação, entre outros;
  • Custo de manutenção: ações externas, como interrupção de energia, dificilmente estão sob controle, sendo necessário investimento pesado, como geradores de energia.

Então, como reduzir o custo de ociosidade?

Planejamento é a palavra-chave para garantir eficiência no seu Armazém de grãos. Entretanto, é preciso manter também uma boa prática de monitoramento das atividades.

Além disso, por meio de um diagnóstico e do monitoramento contínuo de processos, os gestores podem adotar outras ações que ajudam a diminuir esse custo, de acordo com cada situação.

Sendo assim, identificar e tratar esses incidentes exige rapidez e habilidade, e isso começa com os próprios funcionários:

Otimize processos de manutenção e envolva seus colaboradores

Com um equipamento parado, provavelmente, algum colaborador envolvido diretamente com ele também estará desocupado. Ao elaborar um plano de manutenção, é possível conciliar as paradas programadas com folgas, férias ou feriados.

Assim, enquanto a máquina segue inativa para manutenção, não há ninguém ocioso esperando pela retomada das atividades.

Sendo assim, a própria equipe de manutenção é impactada com o plano. Por meio dele, sabem quando e o que fazer, também reduzindo os chamados de urgência no caso de quebra ou falhas graves.

Realize um plano de manutenção a cada safra

A manutenção preventiva é aquela feita para reduzir/evitar falhas ou quedas no desempenho dos equipamentos. Envolvendo tarefas sistemáticas como: as inspeções, substituição de peças e reformas.

Para que as unidades armazenadoras prestem serviços de qualidade, é recomendada a realização de manutenções preventivas dos circuitos elétricos, estrutura física e maquinários:

  • Manutenção de circuitos elétricos: limpar, substituir e verificar os circuitos ajuda a evitar falhas ou revisões emergenciais;
  • Da estrutura física: reparar as rachaduras nas estruturas, identificar pontos de infiltração de água pluviais, testar, reparar o sistema de termometria e realizar a limpeza das fossas de drenagem em unidades que possuem problema de alagamento dos túneis, são alguns dos exemplos;
  • Dos maquinários: os maquinários e transportadores requerem manutenções diferenciadas, podendo ser de rotina, emergência e preventiva. Sendo necessário avaliar a performance do silo armazenador e do secador.

Evitando ao máximo, assim, as manutenções corretivas, que acontecem após a falha.

Tenha um plano de movimentação de cargas

O plano de manutenção de cargas nada mais é do que a movimentação que seu Armazém irá realizar para levar o insumo de um local para outro sem interferências e, consequentemente, sem perdas maiores, seja de mercadoria ou de tempo ocioso.

Para isso, algumas medidas devem ser tomadas. São elas:

  • Definição da janela de carregamentos (horários);
  • Quantidade de veículos por hora;
  • Agendamento com previsão de chegada e controle de fila de caminhões;
  • Controle e gestão de pátio.

Ou seja, quanto maior a aderência ao plano de movimentação de cargas, menor o risco de se haver um custo de ociosidade, elevando a produtividade e garantindo melhor resultado por tonelada processada.

Como você pôde perceber, o plano de manutenção tem grande impacto no custo de ociosidade, sendo uma das maneiras mais eficientes de reduzi-lo. Também faz com que a confiabilidade nos ativos seja maior, assim como a sua vida útil.

Agora que você já sabe como reduzir o custo de ociosidade do seu Armazém de Grãos, continue descobrindo novas melhorias em seus processos nos mais diversos conteúdos do Blog Siagri exclusivo para Armazéns!

Publicado por:
Coordenador de Consultoria em Gestão com mais de 10 anos de experiência no agronegócio. Especialista em Liderança e Gestão Empresarial e Processos Gerenciais e Administração de Empresas.