Calagem: descubra por que essa técnica é tão importante

Compartilhe

De acordo com a Embrapa, a maior parte do solo do Brasil é ácido, pH 5 em média. E isso se dá, principalmente, pela recorrente lavagem, a lixiviação de nutrientes (tipo de deslocamento de minerais) e pelo uso de fertilizantes de caráter ácido. Por isso, a técnica de calagem é tão difundida no país.

A calagem visa a eliminação da acidez do solo e o fornecimento de cálcio e magnésio para os cultivares plantados. O cálcio estimula que as raízes das plantas cresçam e consigam explorar melhor a água e os nutrientes presentes no terreno da lavoura.

Em outras palavras, a aplicação de calcário no solo garante que o pH ideal para cada tipo de planta seja atingido. No caso de uma lavoura de soja, por exemplo, o pH ideal é 6, portanto, o produtor precisa fazer uma análise de seu terreno para saber como atingir esse índice.

Corrigindo o pH do solo da lavoura

Como já dito, a calagem atua na manutenção de pH do solo, geralmente em suas primeiras camadas. Existem diversos tipos de calcários disponíveis no mercado, e cabe ao produtor rural analisar qual faz mais sentido para seu terreno, dentre os mais comuns estão:

  • Calcíticos, que possuem menos de 5% de Óxido de Magnésio (MgO) em sua composição;
  • Magnesianos, com 5 a 12% de MgO;
  • Dolomíticos, acima de 12% de MgO.

A qualidade do produto varia em função de suas características químicas, por isso, ler os rótulos e consultar um especialista em solos pode ser necessário para que o resultado ideal seja atingido na fazenda.

Geralmente, essa correção do solo é aplicada 3 meses antes do início do plantio, no período de entressafra, já que o calcário precisa reagir à umidade do local. É essa reação que aumenta o pH dos solos para níveis entre 5,5 e 6,5 (a depender do que o produtor precisa para aquela safra).

Em regiões que possuem grande período de estiagem, a aplicação da calagem no solo deve ser feita antes do fim das chuvas, o que pode ser cerca de 4 a 5 meses antes do plantio. Essa técnica se torna ainda mais importante nesses lugares, pois o cálcio ajuda as plantas durante a estiagem.

Se o solo do terreno estiver compactado, um processo de descompactação deve ser feito antes da aplicação do calcário. Isso pode ser feito a partir da adubação verde, ou com o uso de um implemento agrícola, como o subsolador – mas, cuidado pois essa é uma medida a curto prazo e pode gerar danos futuros ao solo.

Durante o plantio convencional, o calcário é aplicado uniformemente na área, com profundidade de 17 a 20 cm e seguido dos processos de aração e/ou gradagem.

Já no plantio direto, a calagem é feita somente na superfície, o que pode deixar o processo de correção do pH mais lento, por isso, o calcário deve ser aplicado o mais cedo possível. Com o passar dos anos, esse cálcio chega até as camadas mais profundas do subsolo ajudando a amenizar os efeitos nocivos da acidez.

Benefícios da calagem

Além de corrigir o pH dos solos mais ácidos, a calagem também possui outros benefícios como o oferecimento de cálcio e magnésio para o desenvolvimento das plantas e o aumento da CTC (capacidade de troca de cátions) – que afeta positivamente na disponibilidade nutrientes para as plantas.

Segundo a Embrapa, a aplicação de calcário para a correção do solo das lavouras pode ainda:

  • Aumentar a disponibilidade de fósforo, já que diminui os sítios de fixação no solo;
  • Diminuir a disponibilidade de alumínio e manganês através da formação de hidróxidos, geralmente não absorvidos;
  • Aumentar a mineralização da matéria orgânica com consequente maior disponibilidade de nutrientes;
  • Favorecer a fixação biológica de nitrogênio;
  • Aumentar a agregação, pois o cálcio é um cátion floculante e, com isso, diminuir o processo de compactação do solo.

Em termos financeiros, a calagem é uma prática econômica que tem um excelente custo-benefício quando aplicada corretamente, podendo gerar mais produtividade para a safra.

Cuidados com a correção do solo

Quando feita em excesso ou de forma errônea, a calagem pode ter um efeito negativo na distribuição de micronutrientes no solo. Por isso, essa correção do solo deve ser feita sempre durante o preparo do solo.

Os cálculos utilizados para aplicação de calcário no solo devem elevar em conta os diferentes métodos utilizados nas diversas regiões do país: Neutralização de Alumínio nos Estados do ES, GO, MG, PR e região do Cerrado; Solução Tampão SMP no RS e SC e Saturação por Bases em SP e PR.

Conclusão

No Brasil, a calagem é uma técnica de preparo de solo essencial para os produtores rurais, já que o pH dos terrenos é normalmente ácido. A disponibilização de cálcio e magnésio para as plantas também é um fator muito relevante, principalmente nas regiões mais secas do país.

Um software de gestão da fazenda, como o ERP AgriManager do Grupo Siagri, pode facilitar a gestão de compras de insumos necessários (como o calcário) e o controle de aplicações no tempo correto de cada região. Saiba mais, solicitando uma demonstração gratuita com um de nossos consultores.

Publicado por:
Arquiteto de soluções na Siagri com mais de 9 anos de experiência no agronegócio. Especialista em Ciências Contábeis e Sistemas ERPs.